BG

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Queima das Fitas

Resolvi fazer um esforcinho e postar aqui, mesmo em plena época de Exames, afinal devo ter frustrado várias expectativas de leitores ^^" Desculpem, mas é que minha vida foi se tornando cada vez mais agitada aqui no Porto - ainda bem! -, com mais e mais atividades, o que me tomou o tempo para elaborar uma postagem decente.
Vivi tantas experiências que mal sei por onde começar. Já que não posto desde abril, podia falar sobre Maio. Além de ter sido o mês do meu aniversário de 21 anos, que foi muito marcante, foi também o mês (como sempre é) da Queima das Fitas, a formatura dos estudantes de todas as faculdades do Porto. As comemorações duram uma semana, dia e noite, com eventos acadêmicos e culturais. Não é como no Brasil, em que cada turma aluga um espaço fechado e faz uma festa privada. Também não tem a cerimônia da colação de grau, nem se usa beca. Os símbolos e as ocasiões são outros - aliás, tento ter sempre um cuidado imenso quando falo das tradições acadêmicas daqui, porque são mesmo muito fortes e envolvem muitas coisas que às vezes me escapam. Como eu sou "erasmus", não passei pela Praxe (semelhante ao nosso Trote) - a não ser na Tuna -, então não cheguei a apreender todo esse universo de regras.
Fugindo um pouco ao tema, mas só pra dar uma noção, existe um WikiPraxe (!) só pra explicar algumas coisas - porque certas coisas são restritas às praxes.
Então, com as devidas reservas feitas, vou tentar explicar o que é a Queima das Fitas, fazendo algumas correspondências, embora não se compare o sentido que se dá à Academia e ao "ser estudante" aqui e no Brasil. São modos de ver diferentes, e eu tenho uma quedinha pelo modo daqui, confesso ;)

Comecemos então pelo que, na minha faculdade, aconteceria primeiro - acho eu: a Colação de Grau, que é a única cerimônia oferecida pela faculdade (embora nós é que tenhamos que alugar a beca). Digamos que, aqui, corresponde à Imposição de insígnias, em que "Estando reunidos todos os participantes no mesmo local e onde, obrigatoriamente, se encontra uma recipiente com chama, será dado início à Cerimónia, pelo Dux ou seu representante, proferindo as palavras 'IN NOMIE SOLENISIMA PRAXIS IMPOSICIONE INSIGNIAE ABERTUM EST' dando 3 pancadas, após as quais passa a palavra ao Mestre de Cerimónias designado para o Evento." Na chamada dos finalistas, cada um deles recebe três insígnias: as meninas, uma roseta; os meninos, um laço (gravata-borboleta); uma cartola e uma bengala, nessa ordem, sendo que o Padrinho/Madrinha (prof.) tem que dar três bengaladas na cartola do finalista pra dar boa sorte (assim como, posteriormente, todos os parentes e amigos do finalista ^^' haja cartola! eles colocam uma espuminha dentro, pra não doer ^^'). "Terminada a Cerimónia o Mestre de Cerimonias passa a Palavra ao Dux, ou seu representante, que encerra a cerimonia proferindo as palavras 'IN NOMIE SOLENISIMA PRAXIS IMPOSICIONE INSIGNIAE ENCERRATA EST' dando 3 pancadas."
No Brasil, haveria, além da Colação de Grau, uma Missa, Culto e/ou Culto Ecumênico, também fechado, e uma festa em um buffet. Aqui, a Missa é o primeiro evento da Semana da Queima, no domingo de manhã. É antecedida apenas pela "Monumental Serenata", que acontece à meia-noite e UM do domingo - "e UM" porque, na praxe, não pode haver números pares. Chama-se Missa da Benção das Pastas e ocorre a céu aberto; aqui no Porto foi nos Aliados. Eu participei, pois a prima do meu namorado estava se formando em Educação Social :) e posso dizer que é muito emocionante! Vê-se uma multidão de pastas com fitas coloridas balançando ao alto, que é quando são benzidas com água benta (ao final do post, vou deixar um link pras fotos). Mas o que acho legal é a ênfase no papel que o estudante tem na sociedade, explicitado publicamente e valorizado (pelo menos culturalmente, não significa que há emprego pra todos ^^"). A oração dos finalistas, ao final da missa, é muito bonita. Transcrevo parte dela:

Senhor nosso Deus:
no momento em que deixamos a Universidade,
vimos agradecer-Vos o caminho que até agora percorremos.
Vós nos chamastes a entrar no Vosso projecto
e a colaborar na salvação dos homens e do mundo.
E nós queremos responder afirmativamente ao Vosso apelo:
ouvindo a vossa voz, estamos disponíveis para a missão que nos pedis.
Junto de Vós recordamos tudo quanto recebemos e pudemos dar,
e todos aqueles que nestes anos nos acompanharam.
Para eles Vos pedimos, Senhor, a Vossa Luz.
No limiar de uma nova etapa, a Vós entregamos o futuro,
a Vós consagramos a nossa energia, a nossa inteligência e a nossa profissão.
Senhor Jesus, que ensinastes aos Apóstolos o sentido do amor e do serviço,
dai-nos forças para que também nós com esse sentido, saibamos construir a nossa vida profissional. (...)
Acho que aqui não há a necessidade de um culto ecumênico, porque não há tanta variedade de religiões como no Brasil, nem manifestações tão explícitas de religiosidade por parte dos jovens que chegassem a exigir outra cerimônia. Aliás, grande parte dos estudantes não é muito religiosa; por vezes ateia, agnóstica ou indiferente. O valor simbólico da cerimônia é que fica.
Quanto ao Baile de Formatura; aqui há o Baile de Gala e o Chá Dançante, mas sobre esses não sei falar porque não fui. Há também, todas as noites, uma festa no "Queimódromo" - aqui no Porto é o Parque da Cidade - em que há barracas das associações de estudantes, vendendo bebidas e tocando música, e shows diversos. Fui a duas noites, mas não consegui entrar no espírito; é muito barulho e bagunça pra minha natureza calminha ^^' apesar disso, gostei de ver as bengaladas e a amizade entre os estudantes, vivendo aquela experiência.
Fui ainda ao Cortejo Acadêmico, que pra mim é mais uma coisa que afirma o valor dos universitários na sociedade. É um desfile de carros alegóricos de cada faculdade, que vai desde as 14h01 (!) atée de madrugada (porque são muitas faculdades, e não são só os finalistas que vão, mas todos os estudantes que participam da praxe). Cada faculdade tem uma cor, presente nas insígnias, nas fitas e na decoração dos carros. Estes últimos também servem, muitas vezes, como protesto; neste ano falaram muito sobre os efeitos da crise econômica que assola Portugal, sobre os empregos precários, falta de estágio e sobre as altas propinas que os estudantes pagam - taxas que chegam à volta dos mil euros por ano! (isso na graduação, porque no mestrado/doutorado é mais caro).
A Queima acontece nos principais pólos universitários de Portugal; ouvi falar mais da do Porto, da de Coimbra e da de Lisboa, mas há mais. "A história da Queima das Fitas no Porto não é muito mais recente que a de Coimbra, que se iniciou em 1919, pois já em 1920, os finalistas de Medicina da Universidade do Porto faziam a chamada 'Festa da Pasta', que é considerada a origem da Queima das Fitas do Porto.
A 'Festa da Pasta' era um evento, com um grande espírito académico, que comemorava a passagem da pasta dos estudantes que estavam a terminar o seu curso, os quintanistas, aos que entravam na recta final, os quartanistas. Juntamente com a passagem da pasta era imposto o grelo aos quartanistas. Ao longo dos anos a 'Festa da Pasta' foi-se difundindo pelas diversas faculdades da Universidade do Porto, sendo que cada faculdade tinha a sua própria festa. As diversas 'Festa da Pasta' realizaram-se ininterruptamente até 1943, ano a partir do qual passou a haver uma só para todas as faculdades." (site da FAP)
Haveria muito mais detalhes que eu poderia contar, mas isso tornaria a leitura muito cansativa. Em suma, o que posso dizer é que a Academia é vivida de uma forma muito especial aqui, não tão pragmática como é na América em geral; há mais tradição, sentimento e, principalmente, orgulho. Isso é uma coisa que vou sempre levar comigo, embalada por uma canção da Tuna Feminina de Letras da Universidade do Porto (que tão bem me acolheu e da qual ainda vou falar mais):
Ser estudante é ser poeta
É ter nas mãos a saudade
Do que está pra vir
E a lembrança do que passou
Ser estudante é trajar de negro
É enaltecer a Alma
Numa capa velha
Que abraça e aquece a vida
Com ternura

Ser estudante é ser criança
É não sentir a tristeza
Saber que se vive
Que muito se ama
E desgosta
Ser estudante é ter a noite no peito
É ter vaidade e mágoa
Que me faz ser o que sou
Para sempre
Estudante!


Abaixo, algumas fotos:



(Helena, a prima do meu namorado, responsável por eu vivenciar mais de perto tudo isso ^^)


(Imposição das Insígnias)

(Logo depois da Imposição)

(Missa)




(Cortejo)





Se quiserem, podem ver mais fotos da Queima aqui:
http://www.facebook.com/media/set/?set=a.127302264014793.30592.100002050613088&l=069a6a154c
Até a próxima :*

2 comentários:

  1. Fico feliz por teres sido embalada nesta festa tao propicia das universidades em portugal :) a queima das fitas e muito especial para todo os estudantes. O cortejo é o auge, mas a queima das fitas no queimodromo é um espaco de convivencia e musicalidade onde os varios estudantes trocam amizades entre si.
    Quanto à praxe... A praxe deriva de faculdade para faculdade e ainda de curso para curso. A beca em portugal é chamada de traje ;) e e usada durante os varios anos do curso. Quando se tira a capa (entre outros pormenores)e é posta a cartola, podem ser ou nao os padrinhos, ate pode mesmo ser os pais ou um professor À escolha ;D beijinho

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Renata.

    Eu (Carlos Xuê), Gladson fabiano e professor Dino Carvalhal enviamos um forte abraço a ti. Sempre tocamos no teu nome à espera de seu diário de bordo (rs)com histórias e aventuras.

    Abraço afetuoso e efusivo.

    ^^

    ResponderExcluir